07/10/2013

Destruição de painel de azulejos publicitários Arte Nova na Av. 5 de Outuro/ como é possível?

...


Exmo. Senhor Presidente da CML,
Exmo. Senhor Vereador do Urbanismo,
Exma. Senhora Vereadora da Cultura,


Sexta-feira passada, foi notícia revoltante, via Oficina do Castelo (de Mestre Querubim Lapa, em foto abaixo)) e S.O.S. Azulejo, a destruição de um magnífico e raríssimo painel de azulejos publicitários Arte Nova (foto acima *: © MAFLS, foto abaixo: DN) na fachada da Pastelaria Bola Cheia, na esquina da Av. Cinco de Outubro com a Av. Visconde Valmor.

Chegados aqui, solicitamos o melhor esclarecimento de V. Exas. sobre o seguinte:

1. Este painel está inscrito no Inventário Municipal do Património, pelo que a obra deverá ser ilegal e um crime de lesa-património à cidade. Se assim for, o que fará a CML? Mandará encerrar a pastelaria? Punirá exemplarmente o dono da mesma? E/ou o proprietário do edifício, se se verificar que a destruição ocorreu por causa uma obra em curso ao longo de todo o R/c do edifício?
2. A CML tem em vigor o Programa PISAL desde há mais de 2 anos. Que foi feito de concreto em termos de sensibilização junto do proprietário da pastelaria (ou do prédio) para a necessidade de preservar e recuperar esta raríssimo painel de azulejos publicitários em
chinoiserie (no caso japonesismo)?
3. Este painel foi referenciado em proposta aprovada pela CML em Dez. 2008 (http://www.cidadaosporlisboa.org/index.htm?no=59100000961,053) em matéria de Azulejos Publicitários. Que fez a CML desde então para executar o que aprovou desde aquela data em sede reunião de CML?
4. Onde pára a política de Urbanismo Comercial da CML, se se permite a ausência completa de uma campanha de sensibilização para os elementos decorativos que podem fazer a diferença entre um comércio de tradição e carácter e o que em nada contribui para a valorização cultural e patrimonial da cidade?

Na expectativa, subscrevemo-nos com os melhores cumprimentos.

Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Rita Filipe Silva, Carlos Matos, Luís Marques da Silva, Júlio Amorim, Virgílio Marques, João Mineiro, Miguel de Sepúlveda Velloso, Carlos Leite de Sousa, Miguel Lopes Oliveira, Pedro Formozinho Sanchez, Pedro Malheiros Fonseca, Jorge Pinto, Fernando Jorge, Nuno Caiado

* Texto editado (obrigado pela referência à imagem de cima)

...

ATENÇÃO: Segundo notícia publicada pelo S.O.S. Azulejo no Facebook, «foram recolhidos os fragmentos do painel destruído, tendo o proprietário das pastelaria ficado como fiel depositário dos mesmos e obrigado a repor o painel em causa.» ! ...

...

9 comentários:

A. M.C. disse...

Esta pastelaria tem um historial interessante. Nas últimas obras de "modernização", recentes, descobriram belas pinturas no tecto e decidiram - bem - deixá-las à vista. Mas porque não levaram a intervenção mais longe, investigando em arquivos fotográficos como era a pastelaria originariamente e devolvê-la ao seu aspeto mais próximo do inicial, num inteligentíssimo rasgo de inteligência comercial? Ganhavam eles, os clientes e a cidade.
Apesar dos tectos à vista mas emoldurados por pladur e focos embutidos, o resto da pastelaria foi redecorada com o usual aspecto plástico, sem linha, pseudo-moderno, pseudo-design. Uma oportunidade perdida.
Eu não acredito que os azulejos tenham sido destruídos, penso que serão recolocados ( existem falhas nos painéis) mas há que averiguar e alertar.
Portugueses, porque é que continuam a apostar na falta de gosto, de cultura? Quando é que vão deixar o abarracamento para trás?

CAP CRÉUS disse...

Isto está assim há que tempos...

JOÃO BARRETA disse...

Estas situações provam, uma vez mais, que quando se fala de urbanismo comercial não se está a falar de qualquer ciência do oculto. Para além de se tratar, obviamente, de uma política (estratégia) que tem faltado na cidade,de há décadas a esta parte, estes casos provam que o urbanismo comercial é comércio, é arquitetura, é urbanismo, mas também é cultura, é património, é ... cidade.

Anónimo disse...

A.M.C., os azulejos foram picados, segundo testemunhas oculares ...

A. M.C. disse...

Anónimo das 12:35,
o que escreveu é seríssimo! A confirmar-se não deverá ficar impune quem fez, quem mandou fazer e quem nada fez para evitar. Há alguma informação mais completa?
Eu sempre tenho dificuldade em acreditar que se possa ir tão longe, mesmo depois de tudo o que já vi nesta cidade e neste país, mas sempre me consigo surpreender.
Que desconsolo! Quem é que pára esta gente?

A. M.C. disse...

Não há garantias suficientes para que o painel ali recolocado não seja de qualidade inferior ao original.

Anónimo disse...



"Lindo"...

Aqui no Terrugal é assim que tratam a pouca Arte Nova que ainda nos resta!

Ruas Cor de Rosa é que é...

E o povo adora!

"Lindo"....

Anónimo disse...

"Cada vez mais perto do Cacem"

É o "Motto" da nova Lisboa que aí vem!

Anónimo disse...

A foto reproduzida é mesmo de Miguel Jorge, conforme se afirma na carta endereçada à CML? Parece mesmo ter sido retirada daqui: http://mfls.blogs.sapo.pt/56021.html ...