Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

14/11/2013

Séries Avenidas - 1ª Avenida da República (2)

Neste local havia um prédio Arte-Nova (?) com terminação em pináculo coberto de lousas. Depois de anos em ruína, foi demolido. Depois de anos de um buraco fétido e insalubre deixado pelo desaparecimento do dito prédio, nasceu esta maravilha. Mais um quadrado para enquadrar os turistas incautos. Ruínas da Av. da República. 11/13

Prédio déco gaveto na Avenida da República, para este há um medonho projecto. Renders disponíveis no site da Sotheby's. Ruínas da Av. da República 11/11/2013

Frontão do mesmo prédio gaveto. O que resta dele no que resta da Av. da República. 11/2013


Outro aspecto do prédio déco gaveto. Janelas abertas, parabólicas nas fachadas, reboco a cair, escorrências. Lisboa a tratar do seu património arts-déco. 11/2013

Túnel feito nos tempos do Sampaio. É o segundo que rasga a avenida, transformando-a numa mera via rápida. De boulevard a auto-estrada. 11/11/13



Avnaçado estado de abandono de uma casa Arte-Nova (nr.91-93?). Ruínas da Av. da República. 11/13



Pormenor do estuque que, ainda, cobre a entrada da casa. Avenida da República, 11/2013

Mais um "conseguido" quarteirão. Av- da República. 11/2013


O que resta de mais uma fachada Arte-Nova. Há mais de dez anos que está assim, sustentada por uma armação de ferro, entaipada com tijolos. Vista de lado é uma fina lâmina, um traço sem corpo. Ruínas da Av. da República 11/2013


Como é que se justifica isto? Avenida da República 



Andar ardido num prédio de rendimento Arte-Nova. Avenida da República. 11/2013

Mais uma reconstrução à lisboeta. Antes eram os Abecassis, os Sampaios, os Soares. Hoje, a dupla Costa/Salgado dá cabo do que resta do património Arte-Nova e "arts-déco". Aterrou um titanic naquele que era um dos maiores e mais bonitos prédios Arte-Nova da desgraçada Avenida da República. 11/2013

... menos bom-senso e respeito pela memória da cidade. Av República 11/2013

1 comentário:

Anónimo disse...

Já não há esperança para as Avenidas Novas!