19/11/2013

Renovação do Campo das Cebolas começará, na melhor das hipóteses, em 2015

Vereador Manuel Salgado diz que gostaria de começar rapidamente a obra, mas falta arranjar financiamento para a fazer



O projecto vencedor da requalificação do Campo das Cebolas, que o PÚBLICO divulgou em Abril e foi ontem apresentado em Lisboa, implica a arborização daquela praça, com a retirada das palmeiras lá existentes, e a criação de uma espécie de anfiteatro para defender o local da passagem do trânsito.

O arquitecto João Carrilho da Graça, autor da proposta que venceu o concurso lançado pela Câmara de Lisboa para o local, explicou que o projecto, que ainda não está fechado, prevê também a construção de um maciço de pedra, virado para o interior, que cria uma espécie de anfiteatro.
Esse maciço, referiu o arquitecto, citado pela Lusa, “protege o interior do espaço em termos acústicos e de ambiente e defende a passagem do trânsito”, criando uma espécie de barreira entre o Campo das Cebolas e a Av. Infante D. Henrique.

Além disso, com o maciço haverá na praça “assentos, sem ser em bancos espalhados pelo espaço”. O projecto inicial previa a construção de um silo automóvel com quatro pisos, um deles subterrâneo, para 382 lugares. No entanto, a sua construção foi chumbada em Fevereiro de 2012 pela assembleia municipal.

O arquitecto adiantou que agora a ideia é criar estacionamento ao longo da via, com uma parte abaixo do nível do solo e só com um metro de altura acima do solo. “Vamos fazer escavações para tentar encontrar o muro do cais e, se tal acontecer, incorporá-lo [no projecto de estacionamento]”, referiu.

O vereador Manuel Salgado revelou que a vontade da autarquia é “começar rapidamente a obra”, mas referiu que “há várias dificuldades” num projecto destes, como “a capacidade de financiamento”, adiantando que a autarquia irá candidatar o projecto do Campo das Cebolas ao fundo comunitário JESSICA.

O vereador, “não querendo desiludir ninguém”, afirmou que “se o projecto estiver pronto em Fevereiro, qualquer obra não se iniciará neste local antes do início de 2015”.

3 comentários:

Anónimo disse...

Um anfiteatro de costas para o Tejo e arrancar as palmeiras parecem-me duas boas ideias.

(almocei bem e bebi uns copos)

Filipe Melo Sousa disse...

Até que enfim que as palmeiras vão à vida. São medonhas.

Samuel R. disse...

Concordo com o Filipe Sousa, aquelas palmeiras são mesmo "medonhas", fico feliz por saber que as vão tirar. Já é altura desta área de Lisboa levar uma grande renovação...