Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

Esteja atento às várias iniciativas em perspectiva:

14/11/2013

Destruição de edifício na Av. Berna


Chegado por e-mail:

«Foi com imenso desgosto que passei hoje pela Avenida de Berna e me deparei com a ausência deste edifício. Foi deitado abaixo!

Durante anos e anos, passei diante dele e sempre me fascinou a sua simplicidade e o seu revestimento de azulejos. Com o tempo fui reparando no roubo constante dos mesmos, permanecendo apenas o painel no topo que representava a 'sagrada família'. Muitas vezes pensava que realmente era uma alegoria à vida, 'tudo pode desabar excepto a família'!

Ver o património urbano ser destruído faz-me imensa confusão. De que servem os departamentos de urbanismo e reabilitação urbana da cidade de Lisboa? Em que se baseiam? Quem toma estas decisões drásticas ou como permitem que estes casos aconteçam? Tudo perguntas cujas respostas já eu sei, mas que não as entranho tal é fundamentalismo. 'Projectar e pensar o futuro', é sempre esta a resposta. De que me interessa o futuro se deixarei de presenciar o passado na minha cidade?!

Enfim, de certo que nascerá mais um edifício como o seu vizinho do lado. Um edifício duvidoso, com umas luzes na fachada durante a noite, preços exorbitantes, e praticamente vazio!

Obrigado por continuarem a denunciar casos do quotidiano da cidade e a defenderem-na de gestões intoleráveis!

Atentamente,

João Rocha»

5 comentários:

Anónimo disse...

Este edifício pertenceu à CML. Durante anos deixou degradar aquilo que lhe foi doado. Os interiores foram sendo delapidados e os móveis que ainda restaram ou foram destruídos pelo caterpilar, ou foram levados em camiões depois do engenheiro que acompanha a obra se ter dados conta deles e da sua importância. Para onde foram? No sótão estavam toneladas de livros. No foyer as paredes estavam cobertas de azulejos maravilhosos, com a qualidade do painel na fachada. Esses foram todos destruídos pela máquina. É assim neste país que se finge que temos e respeitamos património.
O que vai para ali? Por enquanto estacionamento, mas quando a restaurante Gôndola, mesmo ao lado, começar a sofrer pressões e acabarem com ele - mesmo sendo uma instituição da cidade - o céu é o limite. Continuem a votar nesta gente! Salgados e companhia...

Anónimo disse...

Mas e os azulejos da fachada não se salvaram pelo menos?

Anónimo disse...

Não me choca a sua demolição, há casos mais graves em Lisboa com que nos preocuparmos.

Anónimo disse...

Salgados e amigos, construções LDA

É o departamento de reabilitação urbana que temos. Para os que cumprem a Lei demasiado exigentes, para os amigos, nem fachadas têm de ficar de pé.

OBRA A OBRA, destroem Lisboa.

Anónimo disse...

A demolição à partida não me choca...também não podemos achar que todo o edifício que tem uns anos em cima é bom e não deve ser demolido. (Os azulejos, se não foram, podiam de facto ser aproveitados).
Concordo, no entanto, com a dúvida do que é que lá vai aparecer...aí sim, poderemos ficar mais preocupados.