17/02/2009

Fuga ao trânsito na Baixa encheu metropolitano

O corte de trânsito no Terreiro do Paço e na Avenida Ribeira das Naus, em Lisboa, não mergulhou a cidade no caos, como esperavam os pessimistas. O trânsito fluiu, mas também houve mais pessoas a recorrer ao metro.

Devido às obras de consolidação do Torreão Poente e de saneamento no Terreiro do Paço, a primeira manhã sem carros na Avenida Ribeira das Naus gerou estrangulamentos em pontos "já esperados" na Baixa, como a Rua do Arsenal, mas "foi uma situação de grande normalidade em toda a cidade", assumiu o presidente da Câmara, António Costa, ao princípio da noite de ontem.

Apenas nos próximos dias será possível aferir se as alternativas criadas são suficientes para escoar os largos milhares de automóveis que atravessam a cidade, até meados de Junho. Mas Costa deixou o alerta: "a minha esperança é que as pessoas não se entusiasmem com as notícias e queiram fazer aquilo que não puderam fazer hoje [ontem]".

Segundo dados do município, a Avenida de Ceuta registou um aumento de 10% no volume de tráfego, distribuindo-o para o Eixo Norte-Sul. As avenidas da República, de Berna e Almirante Gago Coutinho foram outras das artérias a receber mais trânsito.

A fuga ao primeiro dia das alterações no trânsito traduziu-se num aumento de utilizadores do metro. Só as estações de Sete Rios e da Praça de Espanha tiveram mais 10% de passageiros. Quanto à Carris - que prometeu um balanço para amanhã - verificou um aumento de velocidade nos corredores BUS. "É fundamental manter a mesma atitude de procurar caminhos alternativos e usar os transportes públicos. Não pensem que afinal dá para passar", alertou António Costa.

In JN

5 comentários:

jjleiria disse...

Portanto, as coisas estão a correr bem porque o senhor presidente diz que sim...

E no entanto, NENHUMA da imensa publicidade apela à utilização de transportes públicos, apontando antes para as circulares e sub-intracirculares da cidade...

Anónimo disse...

bem, bastou percorrer a cidade para ver que afinal o caos anunciado não era bem assim...

os lisboetas descobriram que se pode atravessar a cidade sem ir à baixa...

eu tenho ido à baixa, porque lá trabalho e dei por alguma confusão, mas normal quando há obras desta dimensão...

M Isabel G disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
M Isabel G disse...

Cheio pelas costuras est
a o eixo norte-Sul.Creio que são os carros provenientes da zona de Algés.
Como tiveram a inteligência de transformar um bairro residencial Telheiras, numa zona de atravessamento da cidade, aquilo está um mimo.
Nunca tinha visto nada assim, com a Francisco Gentil parada.
Relembro que esta situação podia te sido evitada se as obras do Metro tivessem coincidido com a ligação dos esgotos.
O que se está a gastar era perfeitamente evitável.!!!!

Anónimo disse...

este é que é o cerne da questão.Se tivessem feito tudo ao mesmo tempo o dinheiro e a paciencia que poupariamos.